segunda-feira, 4 de julho de 2011

Asas



Oh, senhora louca felicidade!
À tua loucura entrego minhas palavras.
Dá-lhes o destino em que a alegria não lhes seja contrária.
Conforta-lhes qualquer repente vazio, algum desacordo com as idéias centrais,
um ou outro deslize cuja desventura remeta à inquietude de um par de asas
porque livre é que se vive
e é somente livre que se fala.
Por tudo me alegra a felicidade
dessa loucura que arde em palavras.
Porque eu sei, e tu bem sabes,
o mais íntimo riso com que tudo renasce
até que se fortaleça
o mais leve sopro das possíveis, felizes e loucas palavras.



Márcio Ares. 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário