quarta-feira, 12 de agosto de 2015

FOLGATOS


os gatos da minha vizinhança
têm feito mais amor que eu
e, por Deus, de modo mais ousado

escalam muros, paredes e telhados
sem nenhum vil pudor
engatinhados de amor no cio
e altas horas de miados febris
arranhando a madrugada

parecem até saber das minhas faltas
malditos felinos, horríveis gatos
tão plenos e desaforados

e do sono muito me tiram

e de inveja muito me matam

 

Márcio Ares. 2015

6 comentários:

  1. haha...
    formidáveis !
    você e os gatos.

    Adorei, Márcio! E vc andava sumido... Que bom que os gatos te despertaram! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, querida, pelo cuidado do seu olhar sobre meus textos, sempre! Beijo na alma.

      Excluir
  2. Olá Marcio,
    Como sempre... mais um belo poema!
    Seja super bem vindo ao mundo da poesia que você escreve com tanta maestria, sensibilidade e dom divino.
    Fiquei muito feliz quando vi que você voltou a postar. Seu blog é um dos caminhos por onde ando.
    Desejo que você tenha um fim de semana abençoado e muito inspirado.
    Por favor não desapareça mais por tanto tempo... nos deixando órfãos da sua arte de escrever!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. O autor agradece o carinho, a consideração e elogio tão bonito. Beijo na ama!

    ResponderExcluir
  4. Márcio, compartilhei este poema no facebook, na Academia Virtual de Escritores Clandestinos. Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui lá, ver. Nem vi. Fiquei abismado com umas coisas boas do blog. Que que é isso, rapaz!!? Parabéns pra vc e toda a galera!

      Excluir