sábado, 10 de dezembro de 2011

OFUSCADO

Em algum outro ponto de que não me recordo agora
deixei a história mais bonita.
Por mais que eu insista já não a encontro.
Falava, creio, de um amor muito antigo.
Eu era moço, andava sem nenhum desgosto,
e o amor ainda era possível.
O acidente que se deu em nossa estrada
deixou-me sem norte, perto de nunca mais,
uma placa torta à beira de um deserto
muito sol sozinho
demais.

Márcio Ares. 2011.

5 comentários:

  1. Oi Márcio,

    a beleza de seu texto é também ofuscante.
    Um abraço,
    Ana Ribeiro

    ResponderExcluir
  2. Qualquer recordação de amor vale à pena. Mesmo que não chegue ao ponto da beleza do poema!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  3. Sempre sempre o amor é bom de lembrar, aconteça o que acontecer.

    Abraço, Marcio.

    ResponderExcluir
  4. Márcio!

    Um Ano Novo de muita PAZ e POESIA!

    Beijos

    Mirze

    ResponderExcluir
  5. Ofuscante é a beleza do poema!
    Parabéns.
    Abraços,
    Regena

    ResponderExcluir